Mercado Bitcoin vai virar Banco de criptomoedas?


1 min de leitura
15 Dec
15Dec

A exchange Mercado Bitcoin pode ser a primeira empresa de criptomoedas do Brasil a ter seu próprio banco regulamentado e autorizado pelo Banco Central do Brasil.

Desta forma, o MeuBank, fintech e Banco Digital do MB, estaria no mesmo nivel de gigantes tradicionais do país como Itaú, Bradesco, Banco do Brasil entre outros.

Lançado em março deste ano pelo MB, o MeuBank já atingiu mais de R$ 500 milhões em transações, um dos principais requisitos do BC para que a instituição possa 'mudar de nível' e ser um Banco.

O Mercado Bitcoin ainda não anunciou oficialmente a pretensão de pedir autorização ao BC para que a empresa passe a ser um Banco no país, contudo, segundo reportagem do portal o Globo, essa é a intenção da empresa.

Caso seja aprovado a proposta do MB é ser o primeiro banco do Brasil integrado com Bitcoin e com isso liberar novas funcionalidades para seus clientes, assim como faz um banco tradicional.

A Meubank faz parte da holding 2TM, que controla o Mercado Bitcoin e tem no comando Gleisson Cabral, que passou pela CPFL e foi diretor operacional do Mercado Bitcoin.

MeuBank

O MeuBank que é fruto de uma parceria da empresa com a Gear Ventures e permite aos clientes da empresa possuir uma conta digital em um banco digital. A exchange é a primeira do Brasil a ter seu próprio banco em conformidade com as regras do Banco Central do Brasil.

“Oferecemos uma experiência completa para o cliente. Ele poderá, por exemplo, comprar ativos alternativos e optar por pagar contas no app ou com o cartão pré pago, liquidando automaticamente parte da conta de investimentos”, diz Gleisson Cabral, CEO do Meubank.

Com o MeuBank o Mercado Bitcoin passou a realizar os movimentos de depósito e saques da Exchange pelo banco digital.

"Precisávamos de uma alternativa aos bancos tradicionais. Ao mesmo tempo, com a taxa Selic a 4,25% existe a necessidade de buscar novas formas de melhorar o retorno sobre o capital investido. Nesse cenário, os ativos alternativos são uma opção de diversificação e agora, com a plataforma simplificada do Meubank, definitivamente estarão disponíveis para todos”, reforça Gustavo Chamati, sócio fundador do Mercado Bitcoin.