Mercado Bitcoin investirá R$ 200 milhões de reais para expandir seus negócios no campo internacional com foco em ser a 5º maior Exchange de criptomoedas no mundo


1 min de leitura
21 Jan
21Jan

A exchange brasileira Mercado Bitcoin quer ser uma das cinco maiores plataformas de criptomoedas do mundo.Para isso, poderá contar com um reforço de milhões de reais em seu caixa. Isso porque a empresa recebeu um aporte liderado pelas companhias de investimentos GP Investimentos e Parallax Ventures.Com o aporte, os planos iniciais da exchange incluem um investimento de R$ 200 milhões já em 2021. O objetivo é acelerar seu crescimento na América Latina. 

Mercado Bitcoin planeja expanção

De acordo com um comunicado compartilhado com o CriptoFácil nesta quinta-feira (21), o investimento será destinado para expandir a atuação internacional da startup.O MB informou que pretende abrir novas operações em países da América Latina, embora já atenda clientes internacionais a partir da sua operação no Brasil.Além disso, planeja investir em duas frentes para se consolidar como a maior plataforma de criptoativos da América Latina. 

A primeira delas é a Bitrust, uma solução de custódia qualificada com atendimento dedicado. A ferramenta visa permitir que investidores institucionais acessem o mercado de criptomoedas.A outra frente de investimentos é o MeuBank, uma carteira digital que está para regulada pelo Banco Central. Conforme explicou o MB, na plataforma o cliente poderá armazenar diversos ativos digitais, como recompensas, milhas, criptoativos e colecionáveis de games.Paralelamente, os usuários conseguirão converter, investir, pagar contas e transferir dinheiro pelo MeuBank. Segundo o CEO Reinaldo Rabelo, a exchange tem a ambição de desenvolver o ecossistema de criptomoedas no Brasil. 

“Para isso, queremos ser uma das cinco maiores bolsas digitais do mundo. Hoje, já somos a maior exchange da América Latina, atuando quase que exclusivamente no Brasil. Agora, vamos olhar também para os demais mercados, como Chile, México e Argentina, que têm uma cultura regulatória mais próxima da nossa”, explicou.

Rabelo ainda destacou que o propósito da exchange é participar da construção de uma nova infraestrutura para o mercado financeiro baseada em blockchain, smart contracts e criptoativos.Ainda segundo o comunicado, a rodada de investimentos também contou com a participação do Fundo Évora, de Zé Bonchristiano, FIP de HS Investimentos, Banco Plural e Gear Ventures.Por fim, a exchange disse que, para 2021, a meta é alcançar aproximadamente 3 milhões de usuários. Atualmente, a exchange possui mais de 2,2 milhões de clientes.

Concorrência forte à frente

Embora tenha recebido um bom aporte financeiro para expandir suas operações na América Latina, o Mercado Bitcoin encontrará à frente um concorrente de peso.Afinal, a exchange argentina Ripio também tem planos de se tornar a maior plataforma da região. Para isso, conforme noticiou o CriptoFácil, a empresa adquiriu recentemente a brasileira BitcoinTrade.A aquisição representa uma união de forças focada na expansão sobre a América Latina, principalmente considerando que metade dos 1,3 milhão de usuários da Ripio são brasileiros.