Dogecoin atualiza sua blockchain após dois anos de inatividade


1 min de leitura
02 Mar
02Mar

No último domingo (28), a Dogecoin anunciou por meio do Reddit uma nova versão para sua rede. Desde 2019, a blockchain da “criptomoeda meme” não era atualizada.

O anúncio ocorreu oito dias após Elon Musk, CEO da Tesla, publicar em seu Twitter que começou a minerar DOGE com seus filhos. 

Elon Musk fala sobre minerar Dogecoin. Fonte: Elon Musk/Twitter
“Acabei de montar algumas pequenas plataformas de mineração de DOGE com meus filhos. Foi divertido.”

Velocidade e praticidade

Desde junho de 2019 sem receber novas atualizações, a Dogecoin tornou-se alvo de críticas de especialistas e traders do segmento. 

Nic Carter, fundador da CoinMetrics, chegou a afirmar que a DOGE estava abandonada por seus desenvolvedores. 

Após um longo hiato, a nova versão da moeda digital implementou melhorias importantes para sua valorização no mercado.

É possível que o súbito interesse na criptomoeda, atribuído em grande parte às publicações que Elon Musk faz no Twitter, tenha impulsionado as atualizações.

Segundo Ross Nicoll, um dos desenvolvedores da Dogecoin, a versão 1.14.3 traz importantes melhorias em termos de performance.

A velocidade de sincronização foi uma destas melhorias feitas pelo time de desenvolvimento. 

Com essa atualização, blocos serão incluídos na rede de forma mais rápida.

Isso foi possível por meio da eliminação de “processos custosos” feitos toda vez que um bloco é enviado até outro nó, conta Nicoll.

Ademais, o período padrão em que as transações ficam gravadas na mempool foi reduzido de 336 horas para 24 horas.

Contudo, ainda é possível aumentar o prazo com o comando “-mempoolexpiry”, de forma que usuários podem personalizar a funcionalidade de acordo com o que desejarem.

Para fazer a atualização, basta desligar o cliente e realizar a instalação da nova versão. Após, basta reiniciar o nó.

Processo de mineração

Assim como a Litecoin, a Dogecoin utiliza o algoritmo Scrypt para mineração. Inclusive, em 2014, ambas as criptomoedas “fundiram” seus processos de mineração.

Ou seja, por meio de um único processo, é possível minerar ambas as moedas digitais. 

O algoritmo é uma variação dentro do modelo de prova de trabalho, ou proof of work.

Diferente do SHA-256, do Bitcoin, o Scrypt é mais rápido e gera novos blocos a cada um minuto — no caso da Dogecoin.

Com isso, e por usar uma hash rate menor, equipamentos mais “leves” são capazes de executar a mineração de DOGE de forma individual.