Bitcoin supera o Facebook e o Alibaba e atinge marca de R$ 190 mil no Brasil em nova alta recorde


2 min de leitura
15 Dec
15Dec

O preço do Bitcoin atingiu um novo recorde no Brasil e passou de R$ 190 mil reais com uma valorização superior a 6% nas últimas 24h.

 

Somente em janeiro de 2021, o preço do Bitcoin já subiu mais de R$ 40 mil, sendo que no primeiro dia do ano a criptomoeda estava avaliada em torno de R$ 150 mil.

Com relação ao seu valor em dólares o BTC também atingiu um nova marca histórica sendo negociado acima de US$ 35.600

Atualmente o Bitcoin domina quase 68% do marketcap do mercado de criptoativos que está próximo de atingir a marca histórica de US$ 1 trilhão de dolares.

Somente o marketcap do Bitcoin está estimado em quase US$ 662 bilhões superando o marketcap do Facebook (US$ 583 b) o Alibaba (US$ 545 b) e deixando a Visa, maior empresa financeira do mundo, 'comendo poeira' ja que a gigante de cartões tem um marketcap de US$ 384 bilhões.

O resultado o BTC já é de longe o melhor investimento do ano.

"Nós estamos vendo uma pressão muito forte do dólar no Brasil e, com isso o real já começou perdendo espaço para a moeda americana. Já no cenário externo não há nenhum sinal de esgotamento dos compradores. Não me surpreenderia em ver o Bitcoin acima de R$ 200 mil nos próximos dias", destacou Daniel Coquieri, especialista em criptomoedas e fundador da BitcoinTrade.

Investidores institucionais

O gestor de fortunas privadas da gigante financeira suíça UBS está creditando instituições e investidores ricos pela alta do Bitcoin.

Em uma nova entrevista à CNBC, Alli McCartney, diretor-gerente do UBS Private Wealth Management, disse que o interesse em Bitcoin de investidores ricos e sofisticados está crescendo.

“Há muito interesse e tem havido muito interesse por um período significativo de tempo. Muitos indivíduos muito ricos, mesmo aqueles que ganharam dinheiro com fontes de financiamento muito tradicionais, correm riscos. E eles entendem o conceito de correr riscos ... Acho que os indivíduos que agem como instituições e indivíduos não varejistas estão entrando agora como um jogo de alocação de ativos e acho que a razão de você ver esse aumento é que você está tendo algumas compras realmente grandes. ”

McCartney cita o aumento da adoção corporativa, a narrativa da reserva de valor e o preço como fatores que alimentam o interesse no BTC.

“A história dos primeiros anos era que aqui estava uma reserva de valor que era apolítica e poderia ser um diversificador. Você vê a adoção na forma do Índice Bloomberg Galaxy. Então você vai para a Fidelity como custodiante e agora está no PayPal, permitindo que você compre e venda com ele. ”

McCartney diz que a nova frota de investidores institucionais pode criar uma base sólida para o avanço do preço do BTC.

“Portanto, a adoção está aumentando, o preço está subindo e a falta de alternativas disponíveis no mercado em termos de diversificação - como os títulos que em grande parte foram pela janela por causa de seu risco-retorno relativo. Então eu acho que todos os três e uma vez que você vê os mecanismos de credenciamento de grandes fundos de pensão e entidades soberanas que acabaram de ver grandes compras - o que eu acho que levou isso de $ 25.000 até onde estava neste fim de semana.

O que vem pela frente?

Porém, para o especialista em criptoativos Max Keizer, o valor de US$ 35 mil ainda é pouco para o Bitcoin.

Em uma nova entrevista para a Stansberry Research, Keizer disse que espera que o Bitcoin suba quase 550% de seu preço atual e passe a ser negociado em US$ 220 mil.

“Vou com $ 220.000 por Bitcoin como uma meta para 2021 e isso nos levaria a uma avaliação de mercado de até $ 4 trilhões de dólares, o que eu acho que é um bom objetivo para 2021.